por que todos os textos apavorados, chorosos, revoltados, lúcidos, desacreditados e sofridos fariam sentido agora mais que antes?